Skip to content
outubro 18, 2010 / consideracoesfinais

A Superação Através da Nobreza dos Sentimentos Essenciais.

Capitães de Areia – Jorge Amado; Pedro Bala já estava tornando-se um homem e acabará de descobrir a história de seu pai, morto durante uma greve. Olhará para o asfalto e perceberá que:  ” Talvez ali mesmo, onde ele se sentava, tivesse caído o sangue de seu pai.”; ” Por baixo daquele asfalto devia estar o sangue que correra do corpo de seu pai.”
Após esse racíocinio, o garoto – quase um homem – concluiu algo tão íntimo e superior a pobreza e a mediocridade que o circundava: ” Imaginava-se numa greve, lutando. E sorriam os seus olhos como sorriam os seus lábios.”

Para agradar-se desse raciocínio é necessário uma intertextualidade com Dostoiévski que em Crime e Castigo, sabiamente através de um personagem que se encontrava em estado critico sobre o seu vicio,  citou: ” A pobreza não é defeito, isto é absoluta verdade. Sei, igualmente, que a embriaguez não é virtude. Mas a miséria, meu senhor, é um defeito, sim. Na pobreza, ainda poderá conservar a nobreza dos sentimentos inatos, na indigência jamais alguém poderia fazê-lo. ”

Sem mais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: